27 de jul de 2011

Prefeito Azevedo devolve a Sala Zélia Lessa para os artistas







Os artistas de Itabuna comemoram e com bons motivos, a devolução da Sala Zélia Lessa (no prédio onde funciona a Escola Profissionalizante), à categoria. O termo de compromisso que garante o espaço aos artistas foi assinado pelo prefeito Capitão Azevedo, na última terça-feira (26) e foi considerado por uma das diretoras da Associação Cultural Amigos do Teatro, Eva Lima, “como um momento muito bacana e importante para a cultural regional”.
O prefeito que literalmente vestiu a camisa da cultura, não atendeu apenas a reivindicação da classe artística ao devolver a sala, como também destacou a importância da arte e da cultura para o povo. “A cultura além de ser um direito, é essencial e benéfica para todos os segmentos porque promove o lazer, o entretenimento o conhecimento e a união de toda uma comunidade”.
Na Sala Zélia Lessa será implantado o Café Teatro Zélia Lessa, uma proposta criada pela associação dos artistas, e servirá para apresentações e manifestações culturais das mais variadas, a exemplo de teatro, música, dança, cinema, shows, exposições, feira de artesanato e oficinas, conforme adiantou o presidente da associação, Ary Rodrigues.
Ele lembrou que Itabuna sempre foi um referencial na arte e na cultura, e a história comprova o potencial do município, seja nas artes cênicas , das letras, da música, enfim, “então é natural que a cultura tenha seu espaço e mais que isso, uma alternativa a mais para artistas e comunidade”. Ary também reconheceu a sensibilidade do prefeito Azevedo, quando devolveu o espaço à classe artística. “Este também foi um presente enorme de aniversário para nós artistas e toda a comunidade regional”.
Para o produtor cultural Marquinhos Nô, esta foi uma luta antiga, de mais de cinco anos, mas que teve um final feliz, “o que nos dá o direito de comemorar”. Ele também ressaltou a importância do projeto que será implantado no local, o Café Tetro, considerado uma ação conjunta e inovadora, “um espaço maravilhoso que faltava em Itabuna”.

ASCOM -Prefeitura Municipal de Itabuna
Matéria: Rosi Barreto